Loading...

sexta-feira, 12 de agosto de 2011

Portas e janelas do coração

(Foto: autoria desconhecida)

Aproveitando-me de nossa amizade, caro leitor, faço-lhe um convite de chofre. Abra o guarda-roupa e veja a quantidade de peças que você não usa faz tempo. Esqueceu-se que havia comprado; está esperando emagrecer; achou que não caiu tão bem num dia e na primeira oportunidade, miraculosamente, cairá; aguarda a aquisição de uma veste especial que, aí, sim, vai combinar... De desculpa em desculpa o armário vai enchendo de um vestuário cheirando o mofo da futilidade. Olhe para dentro de si mesmo e invista no amor...

Nesses dias de inverno, uma dor cortante faz pessoas sofrerem por falta de agasalhos. Crianças e idosos são os mais castigados. Entretanto, moradores de rua, de todas as idades, são alvos dessa espécie de entidade que circunda os corpos, impede-os de dormir, machuca ossos e músculos. E os cães e gatos, em pleno julho, esquecidos ao relento? Minha prima Marta coloca água quente em garrafas PET, depois de bem fechadas e enroladas em panos velhos, as deixa no local de dormir dos bichos. Eles adoram! O frio é como a fome, tem pressa.

Para ajudar, bolei um passo a passo da faxina no armário. Se você é muito apegado ao material, até se sensibiliza com a tristeza alheia, mas está sem atitude, siga as dicas: primeiro, tome a decisão e vá ao quarto sozinho ou com alguém de bom gosto. Segundo, selecione peças. Verifique aquelas mais usadas porque você gosta e se sente bem. Deixe-as de lado. Depois, separe as que não usa e quais combinam com as reservadas.

De imediato, note: muitas delas não são vestidas, basicamente, por dois motivos: você as comprou no impulso e não iria utilizá-las mesmo ou não pensou em usá-las com outro traje. Experimente a vestimenta trocando as combinações, inclusive com calçados diferentes. Olhe-se no espelho, perceba a harmonia e em quais eventos poderia usar a peça. Se a conclusão é que você a usaria pouquíssimas vezes, em alguma solenidade que raramente será convidado, jogue-a no monte de doação. Você não irá usá-la. Confie nisso!

Feio o modelito? Descarte-o, sem medo. Seja autoconfiante, bem como autocrítico. Se não agradou, assuma. Se ficou bem, acredite. Porém, não se iluda que se você emagrecer dois quilos a calça daí, sim, será um luxo. Sei de inúmeros necessitados em que essa roupa ficará muito melhor.  Desapegue-se, já! Observe a contradição: quanto mais o ser humano envelhece, mais difícil de se desapegar. Isso é quântico! Imagine: fluidos e fluidos de apego e acúmulo material durante toda a vida só podem gerar mais apego e acúmulo. Ah, e caixão não tem gavetas!

Outra sugestão: compartilhe o que adquiriu. Esse entulho todo serve para isso. Aproveite a chance que o inverno lhe dá e seja caridoso. Custa quase nada porque tudo o que você conseguiu juntar, na realidade, foi um empréstimo do universo para seu transitório pseudoprazer. Agora é hora de auxiliar em uma tarefa muito maior que o próprio umbigo. Ajude pessoas e animais a aliviarem o que sentem à flor da pele: as baixas temperaturas.

Além do mais, se você for muito apegado mesmo, preste atenção: nesse mundo consumista em que vivemos, não se preocupe, você será muito mais estimulado a comprar, comprar, comprar, do que doar, doar, doar. Certamente, haverá um shopping nas redondezas, uma loja com uma megafaixa de 50% off na vitrine, e muitas promoções e liquidações. Estratégias para convencê-lo de que sempre falta alguma coisa. A indústria do consumo existe para lembrá-lo disso. Doar para quê?

Por fim, uma cutucadinha importante para agilizar a empreitada. Se há dificuldade de se desvencilhar de um pedaço de pano, que se dirá da separação de um namorado, amigo, ente querido? Vá se testando com roupas, calçados e objetos. Capriche na reeducação interior enquanto é tempo. Quartos, malas, estantes empoeirados, obscuros e com teia de aranha de tanta vaidade são doença, e gostar de enfermidade é masoquismo. Nesse caso, egoísmo. A cura está ao alcance de seu coração – abra as portas e janelas e deixe a luz entrar. (Adriane Lorenzon)

2 comentários:

  1. Parabéns Adriane pelo seu blog, gostei muito dos assuntos em pauta. Logo terá mais seguidores e isso tudo é fruto do seu trabalho.
    Parabéns!!!!!!!!!!!!!

    Marlene O. Carvalho

    ResponderExcluir
  2. Querida, obrigada pelas palavras carinhosas!
    É vc, a prima do Mato Grosso?
    Qdo puder, indique meu site (por lá também dá pra ler os textos). www.adrianelorenzon.com.br
    Beijos
    Adriane

    ResponderExcluir